Glossário

Bem-vindo(a) ao Glossário

Quinta, 23 de Março de 2017

Conteúdo

A

AÇÃO 1 Todo tipo de movimento que acontece diante da câmera. 2 Termo mais utilizado por diretores para dar início à movimentação dos atores em uma filmagem.

ADAPTAÇÃO Passagem de uma linguagem artística para outra. Exemplo: adaptação de um romance (linguagem literária) para o cinema (linguagem audiovisual).

ANÁLISE TÉCNICA 1 Relatório resultante de uma análise detalhada do roteiro. Normalmente elaborado pelo assistente de direção da obra audiovisual. 2 Reunião em que participam todos os chefes de equipe para conhecer profundamente o roteiro e discutir o que será necessário para a realização de cada cena.

ARGUMENTO Texto corrido em linguagem literária que conta, com detalhes, toda a história do filme. Normalmente o argumento é desenvolvido antes do roteiro.

ASSISTENTE DE ARTE Profissional que trabalha diretamente para o diretor de arte.

ASSISTENTE DE CÂMERA Profissional da equipe de fotografia que realiza funções técnicas diretamente relacionadas à câmera.

ASSISTENTE DE DIREÇÃO ver texto O Assistente de direção.

B

BATER O BRANCO Recurso da câmera digital utilizado para balancear corretamente a luz de acordo com a cor e a iluminação que incide no local onde será realizada a filmagem.

BITOLA Medida da largura da película cinematográfica (8mm, 16mm, 35mm, 70mm). A largura da película determina o tamanho das imagens do filme na tela durante a sua exibição. Também usado para o vídeo (VHS, Beta, MiniDV, etc.)

BOOM Haste para deixar o microfone suspenso.


C

CABEÇALHO Elemento da escrita do roteiro. É utilizado para introduzir cada uma das cenas do roteiro e tem a função de informar o local (INTERNO ou EXTERNO) e o período do em que elas acontecem (dia, manhã, tarde, noite, etc.) Exemplo: INT. QUARTO DE EDIVALDO – DIA.

CÂMERA DE CINEMA Câmera para captação de imagens em movimento que utiliza rolos de filmes em película (8mm, 16mm, 35mm, 70mm).

CÂMERA DIGITAL Câmera que utiliza processo digital para captação das imagens em movimento (mini DV, DV CAM, HIGH 8, HD, DVD, cartões de memória).

CÂMERA OBJETIVA Posicionamento da câmera que capta a imagem de um ponto de vista mais externo à ação. Simula o ponto de vista do público.

CÂMERA SUBJETIVA Câmera que simula o olhar de um personagem. É mais participante da ação que acontece na cena.

CENA Unidade de lugar e de tempo na narrativa dramática. Uma ou mais ações que se desenvolvem sem saltos de tempo, num mesmo lugar, constituem uma cena.

CENOGRAFIA Técnica de criar e construir os cenários de um filme.

CENOTÉCNICO Profissional responsável pela construção dos cenários.

CINECLUBES Salas de exibição de obras audiovisuais de caráter não comercial, com programação alternativa às salas do grande circuito.

CINEMATÓGRAFO A partir do aperfeiçoamento do Cinetoscópio de Edison, os irmãos Auguste e Louis Lumière idealizam o cinematógrafo, em 1895. O invento permite projetar imagens ampliadas numa tela, para vários espectadores ao mesmo tempo. Assim nasce o Cinema.

CINETOSCÓPIO Inventado em 1890 por Thomas Edison e William Kennedy Dickson. O aparelho utilizava um filme de celulóide perfurado que era exibido no interior da máquina acionada à manivela. Em 1892, Edison funda nos Estados Unidos a "Kinetoscop's Company". Em 1893, constrói o primeiro estúdio de cinema, o Black Maria, em New Jersey, e roda uma série de pequenos filmes. Em 1894, a exploração comercial do seu invento é um negócio próspero, atraindo multidões. Na França, Charles Pathé, e Antoine Lumière também compram estes aparelhos.

CLAQUETE Dispositivo que tem a função de registrar cada take de cada cena filmada. A claquete é colocada diante da câmera com algumas informações escritas: número da cena, número do plano, número do take, informações de câmera, etc. Além disso, a batida da claquete produz um som que auxilia no sincronismo entre som e imagem do filme. É um instrumento fundamental para garantir um bom trabalho na montagem do filme.

CLÍMAX É o momento alto do filme. Exemplo: o vilão morre, o herói se casa.

CLOSE-UP Plano que mostra o rosto de um personagem.

COADJUVANTE Atores que fazem desde segundos papéis até pequenos papéis. Também chamados de atores de composição.

CONTRA-REGRA Membro da equipe de arte responsável pelos objetos de cena no set de filmagem.

CONFLITO Todo fator, de natureza interna ou externa, que dificulta a trajetória dos personagens numa história. Tudo o que se impõe como barreira para os personagens alcançarem seus objetivos.

CONTINUIDADE Relação entre os elementos que compõe as cenas de maneira lógica para que se torne crível a narrativa. Exemplo: Em um plano o personagem acende um cigarro. No próximo, caso não haja passagem de tempo, é necessário que o cigarro esteja do mesmo tamanho.

CONTRA-PLANO Tomada efetuada com a câmera na direção oposta à posição da tomada anterior. É muito utilizado na filmagem de diálogos.

CONTRA-PLONGÉE O inverso da plongée. A cena é mostrada de baixo para cima.

CORTE FINAL Última versão da montagem do filme.

CORTE LARGO É uma versão mais longa do filme, feita pelo montador. A partir dela o montador retira os excessos e faz os ajustes para chegar ao corte final.

CORTE SECO Passagem direta de um plano para outro, sem o uso de efeitos de transição como fade in, fade out ou fusão.

CRONOFOTOGRAFIA Inventada em 1887 por Étienne-Jules Marey. Era a técnica gráfica da fixação por fotografias de várias fases de um corpo em movimento, como o andar do homem ou vôo dos pássaros.

CURTA-METRAGEM Normalmente é um filme com duração máxima de 30 minutos. A ANCINE, algumas mostras, festivais e editais consideram o curta-metragem como um filme de duração igual ou inferior a 15 minutos.

D

DECUPAGEM A palavra decupar vem do francês découper que significa “cortar em pedaços”. Na prática, é a divisão do roteiro do filme em planos. A decupagem é feita pelo diretor e inclui posições de câmera, lentes a serem usadas, mise en scène, diálogos e duração de cada cena. Consiste na transposição da linguagem de roteiro para a linguagem da imagem.

DECUPAGEM DE PRODUÇÃO Detalhamento das necessidades de produção para realizar o filme.

DESPRODUÇÃO Etapa que acontece logo depois de qualquer filmagem. Consiste na devolução de todo o material utilizado nas filmagens e também na devolução das locações a seus proprietários em perfeito estado.

DIÁLOGO Conversa entre dois ou mais personagens. Num roteiro de cinema são escritos diálogos, rubricas e cabeçalhos.

DOLLY Carrinho que transporta a câmera e o operador e que permite a realização fluída de movimentos de câmera.

DOLLY BACK Movimento de câmera. A câmera se distancia do objeto filmado.

DOLLY IN Movimento de câmera. A câmera se aproxima do objeto filmado.

DRAMATURGIA Termo utilizado para designar a narrativa dramática. A história não é contada para o público, mas o público acompanha o desenvolvimento da história através das ações dos personagens (normalmente interpretados por atores).

DUBLAGEM Inclusão do diálogo sobre uma cena anteriormente gravada. A gravação dos diálogos para uma dublagem normalmente é feita num estúdio de som, depois de realizada a filmagem.

E

EIXO O eixo é uma linha imaginária que estabelece a relação de olhar entre dois personagens em cena e/ou a direção (esquerda ou direita do quadro) para onde acontece uma ação. Na transmissão de uma partida de futebol, por exemplo, é estabelecido um eixo na transmissão (as câmeras são posicionadas de um lado do campo). Caso essas câmeras sejam invertidas e passem a transmitir o jogo do outro lado do campo, o espectador ficará confuso, pois o mesmo time, como por mágica, começa a atacar para o lado invertido da tela da tv. No cinema o princípio é o mesmo. É importante manter o eixo na movimentação dos personagens e nos diálogos. No caso dos diálogos existe uma importante relação de olhar entre os personagens que conversam. Manter o eixo, nesse caso, é manter a relação de olhar, assegurar-se de que cada personagem olhe para o lado da tela correspondente á posição do outro personagem. Quebrar o eixo significa modificar o sentido do movimento e/ ou do olhar de um personagem e desorientar o espectador. Em algumas propostas quebrar o eixo pode ser bastante interessante.

ELIPSE Passagem de tempo. Exemplo: Em uma cena o personagem entra em seu escritório. Há um corte e na próxima cena o personagem já está sentado em sua mesa, falando ao telefone.

ENQUADRAMENTO Imagem que aparece dentro dos limites do quadro (laterais, superior e inferior). Imagem que se vê no visor da câmera.

ESTÚDIO 1 Lugar construído e preparado para a realização de filmagens. 2 Local com isolamento acústico e equipamentos para realizar a gravação de sons.

ESTRELA Dispositivo que mantém a firmeza das pernas de um tripé.

EXTERIOR Termo utilizado para definir o ambiente em que se passa uma cena. Nesse caso, a cena acontece num local externo. Utiliza-se normalmente a abreviação EXT.

F

FADE IN Aparecimento gradual de uma imagem a partir de uma tela escura ou clara. Pode ser utilizado no início de um filme e/ou como transição de uma cena para outra.

FADE OUT Escurecimento ou clareamento gradual de uma imagem, até que ela desapareça. Pode ser utilizado no final de um filme e/ou como transição de uma cena para outra.

FENACISTOSCÓPIO Inventado em 1832 por Joseph-Antoine Ferdinand Plateau. Era um aparelho formado por um disco dentado com um objeto desenhado em posições levemente diferentes. Ao girar o disco em frente a um espelho, faz com que a imagem adquira o movimento. Plateau é o primeiro a medir o tempo da persistência retiniana. Calcula que para a ilusão de movimento, é necessário que se as imagens se sucedam à razão de um décimo de segundo.

FESTIVAIS DE CINEMA Eventos realizados periodicamente em diversas cidades do mundo, onde são exibidas obras audiovisuais. Normalmente, além de exibidos, os filmes competem entre si pelos prêmios oferecidos pelo festival. Cada festival determina os formatos aceitos (vídeo, películas, digital, etc.) e a duração (curtas, médias ou longas metragens) dos filmes. Além disso, muitos também são temáticos. Exemplo: Festival de Cannes (França), Festival de Brasília (Brasil), Festival de Gramado (Brasil).

FIGURANTES Pessoas/atores que apenas figuram no filme. Podem ser as pessoas que aparecem na fila de um banco, na rua, em uma festa.

FIGURINISTA Membro da equipe de arte responsável pelo figurino.

FIGURINO Conjunto de roupas e acessórios utilizado pelos atores e figurantes para a caracterização dos personagens na obra audiovisual.

FILTRO Material translúcido utilizado pelo diretor de fotografia na lente da câmera com o intuito de modificar a cor e a intensidade da luz a ser captada.

FLASHBACK Cena que revela algum fato ocorrido no passado, tendo como referência o tempo presente em que acontece a ação numa narrativa.

FLASH-FOWARD Cena que revela algum fato que acontecerá no futuro, tendo como referência o tempo presente em que acontece a narrativa.

FOCO Uma imagem está em foco quando aparece em sua completa nitidez, com seus contornos bem definidos.

FONÓGRAFO Inventado por Thomas Edison em 1877. O aparelho movido à manivela tinha um cilindro coberto por papel alumínio, onde era registrado o som. Uma agulha fazia a leitura do cilindro e o som era reproduzido através de um bocal.

FOQUISTA É o #A responsável pela medição e controle do foco nas lentes da câmera.

FORA DE QUADRO Está fora de quadro qualquer ação que acontece fora dos limites do enquadramento. Naturalmente, o que acontece fora de quadro não pode ser visto pelo espectador. Apenas sugerido ou ouvido.

FOTOGRAFIA ANIMADA Inventada em 1870 por Henry Renno Neyl. O espetáculo de fotografia animada utilizava uma Lanterna Mágica de Kircher, com um disco de 18 aberturas.

FOTÔMETRO Aparelho que mede a intensidade de luz que incide em determinado local utilizado pelo fotógrafo para adequar as necessidades específicas da câmara com as necessidades do filme.

FUSÃO Aparecimento gradual de um novo plano e desaparecimento gradual do plano anterior. Por um breve momento os dois planos se confundem. É uma forma de transição.

FUZIL FOTOGRÁFICO Inventado em 1878 por Étienne-Jules Marey. Consistia em um tambor forrado com uma chapa fotográfica circular que permitia a fotografia em série.

G

GAFFER É o chefe de elétrica. Coordena a equipe de iluminação e eletricidade. Compõe a equipe de fotografia e está subordinado ao diretor de fotografia.

GRUA Movimento de câmera onde esta é colocada sobre um guindaste e desloca-se na vertical.

I

IDENTIDADE VISUAL Conjunto de elementos visuais (cores, figurinos, maquiagens, enquadramentos, cenários) que dialogam entre si e criam a unidade estética da obra audiovisual.

ILHA DE EDIÇÃO Conjunto de equipamentos (computadores com softwares específicos) utilizados na edição (montagem) de um filme.

INSERT É a inserção de uma imagem que enfatiza algum acontecimento específico em uma cena maior. Exemplo: Um homem caminha pela cozinha. Pára diante da geladeira. Aproxima o rosto da porta da geladeira. INSERT: Preso a um ímã há um bilhete.

INTERIOR Termo utilizado para definir o ambiente em que se passa uma cena. Nesse caso, a cena acontece num local interno. Utiliza-se normalmente a abreviação INT.

K

KINESCOPIA Processo inverso à Telecinagem. Passagem do filme do formato digital para a película de cinema. Também chamado de Transfer.

L

LÂMPADA INCANDESCENTE Inventada em 1879 por Thomas Edison. Parte importante nos projetores cinematográficos. É um dispositivo eléctrico que transforma energia eléctrica em energia luminosa e energia térmica.

LENTE Equipamento utilizado para captar e exibir imagens utilizando princípios óticos. Seu formato interfere diretamente na qualidade da imagem captada ou exibida.

LOCAÇÃO Local, que não seja um estúdio, previamente escolhido para filmar uma ou mais cenas do roteiro.

LOCUÇÃO EM OFF Texto narrado que acompanha alguma ação de um filme, pronunciado por um locutor ou um personagem que não está em cena. Também é chamada de narração em off, voz off ou simplesmente off ou voz over (VO).

LONGA-METRAGEM Filme com duração superior a 70 minutos.

LUZ ARTIFICIAL Luz proveniente de refletores ou qualquer outra fonte elétrica.

LUZ DIFUSA Também chamada de luz suave. É a luz que incide sobre um objeto proveniente de uma fonte ampla, esparsa. Gera poucas sombras. Exemplo: Luz de um dia nublado.

LUZ DURA É a luz que incide sobre um objeto proveniente de uma fonte bem definida. Gera sombras bastante marcadas. Exemplo: Luz do sol.

LUZ NATURAL Luz que não é gerada por fontes artificiais. Exemplo: Luz do dia.

M

MAQUIADOR Membro da equipe de arte responsável pela maquiagem do elenco. Seu trabalho vai da maquiagem mais simples até a construção de sofisticados efeitos visuais.

MARCAÇÃO DE LUZ Tratamento da imagem (cor e luz) realizado pelo diretor de fotografia numa cópia do filme durante a pós produção.

MICROFONISTA Técnico da área de som que opera o Boom e os microfones.

MEDIA-METRAGEM Filme com duração superior 30 e inferior a 70 minutos. A ANCINE, algumas mostras, festivais e editais consideram o média-metragem como um filme de duração superior a 15 minutos e inferior a 70 minutos.

MOSTRAS DE CINEMA Programas de exibição de filmes. Podem ser temáticas (como a retrospectiva de um cineasta ou o retrato de uma época) e normalmente não possuem caráter competitivo.

MOVIOLA Máquina usada para a montagem de filmes diretamente na película. Pouco utilizada nos dias de hoje.

MUTOSCÓPIO Inventada em 1894 pelo americano Herman Casler. A máquina utilizava cartões impressos. Os cartões passavam diante dos olhos, fazendo a figura mover-se. Geralmente eram cenas eróticas; e ostentavam o cartaz "O que foi que o mordomo viu?"

N

NARRATIVA Exposição de uma série de acontecimentos encadeados, reais ou imaginários, utilizando palavras ou imagens.

NEGATIVO DE IMAGEM Película contendo imagens impressas, que passará pelo processo de revelação.

NEGATIVO ÓTICO Negativo onde fica impresso o som.

NICKELODEONS Salas de exibição surgidas nos EUA em 1905. “Nickel” é o equivalente a 5 centavos de dólar americano. Este era o preço da entrada. “Odeon” significa teatro em Grego. Eram locais rústicos e abafados onde o divertimento barato era a principal atração para as classes trabalhadoras e para os milhares de imigrantes que entravam todos os anos nos EUA.

NOITE AMERICANA Técnica de iluminação que cria um efeito noturno numa filmagem realizada durante o dia através do uso de filtros.

O

OBJETO DE CENA Todos os objetos utilizados para compor e decorar um cenário. Exemplo: garrafas de bebida, cinzeiros, vasos, etc.

OBTURADOR Peça da câmera e do projetor de cinema. Consiste numa chapa metálica recortada que controla a incidência da luz sobre a película.

OPERADOR DE VIDEO ASSIST É o #A responsável pela operação do monitor de vídeo utilizado para visualização das imagens capturadas durante a filmagem.

ORDEM DO DIA Documento que contém o cronograma diário (horários, cenas de que serão filmadas e em que ordem, elenco e equipe) e todas as informações necessárias para organizar cada dia de filmagem.

P

PALHETA DE COR Conjunto de cores definidas como guia pelo diretor, pelo diretor de fotografia e pelo diretor de arte para criar a identidade visual da obra.

PANORÂMICA Movimento de girar a câmera sobre seu próprio eixo, da esquerda para a direita ou da direita para a esquerda, sempre em sentido horizontal.

PELÍCULA Material de que é feito o rolo de filme para a impressão da imagem na câmera de cinema.

PLANO 1 A menor parte da obra audiovisual, cada fragmento a ser filmado. Um plano é o espaço de imagem gravada entre os atos de disparar e interromper a gravação de uma câmera. 2 Perspectiva visual dentro da imagem, mais próxima ou mais distante do ponto vista da câmera.

PLANO DE PRODUÇÃO Definição das datas de todas as etapas da realização do filme.

PLANO AMERICANO Plano que enquadra o personagem da altura dos joelhos para cima.

PLANO DE CONJUNTO Plano que mostra um grupo de personagens.

PLANO DETALHE Plano bastante fechado, que enquadra detalhes de personagens ou objetos. Exemplo: O olho do personagem, a mão do personagem, o relógio do personagem, etc.

PLANO GERAL 1 Plano que enquadra grandes dimensões, vastas paisagens (desertas ou com alguns personagens), grande número de pessoas. 2 Plano que enquadra um ou mais personagens de longe, inseridos no conjunto do cenário que compõe a cena.

PLANO MÉDIO Plano que mostra o personagem de corpo inteiro.

PLANO SEQUÊNCIA Imagem captada em seqüência, sem cortes. Exemplo: Festim Diabólico (Rope), de Alfred Hitchcock e A Marca da Maldade (Touch of Evil), de Orson Welles.

PLONGÉE Palavra francesa que literalmente significa “mergulho”. A posição da câmera filma os acontecimentos de cima para baixo.

PRAXINOSCÓPIO Inventado em 1877 por Émile Reynaud. É um aparelho que projeta na tela imagens desenhadas sobre fitas transparentes. A multiplicação das figuras desenhadas e a adaptação de uma lanterna de projeção possibilitam a realização de truques que dão a ilusão de movimento. O invento recebe uma menção honrosa na exposição de Paris de 1878. A partir de 1880, Reynaud efetua algumas apresentações públicas do seu evento. Em 1892, inicia a exploração comercial das projeções no Museu Grevin, de Paris. Suas "Pantominas Luminosas" foram vistas por mais de meio milhão pessoas, entre 1892 e 1895.

PRIMEIRO PLANO 1 Plano que enquadra o personagem da cintura para cima. 2 Posição ocupada por uma pessoa ou objeto mais próximo da câmera com relação aos demais elementos que compõe o quadro.

PRIMEIRÍSSIMO PLANO Plano que enquadra apenas o rosto de uma figura humana.

PRODUTOR DE ARTE Membro da equipe de arte responsável pela produção do departamento de arte: administra o orçamento, contrata técnicos e organiza o cronograma de trabalho de seu departamento.

PRODUTOR DE OBJETOS Membro da equipe de arte responsável pela pesquisa, aluguéis e empréstimos dos objetos de cena utilizados na obra audiovisual.

R

ROAD MOVIE Filme em que a história se desenvolve, normalmente, na estrada, com personagens em trânsito.

ROTEIRO Peça escrita que contém a história, a descrição das cenas e os diálogos do filme ou de qualquer outra obra audiovisual.

ROTEIRO FINAL Último tratamento do roteiro. Texto aprovado entregue para a equipe para o início do trabalho.

RUBRICA Descrição dos lugares, dos personagens, dos objetos e das ações num roteiro cinematográfico.

S

SINCRONISMO Simultaneidade precisa entre imagem e som no filme. Exemplo: Em um diálogo é necessário que as palavras ditas pelos personagens estejam no tempo exato de seus movimentos labiais. Também chamado de sinc.

SEQUÊNCIA Conjunto de cenas onde é desenvolvida uma mesma história/situação. Exemplo: Em um filme a sequência do casamento pode ser formada por uma cena no carro da noiva (pouco antes do casamento), uma cena dentro na igreja (durante o casamento) e uma cena fora da igreja (pouco depois do casamento).

SET Espaço reservado para a realização das filmagens.

SHOT Termo em inglês para plano.

SINOPSE Breve texto que resume a história do filme, contendo o início, o meio e o fim.

SOM DIRETO Processo de captação do som em tempo real, enquanto a cena está sendo filmada.

SOM ÓTICO Registro sonoro feito pela conversão das modulações do som em uma imagem fotográfica que é reconvertida em modulações sonoras.

SLOW MOTION Câmera lenta.

STORYBOARD Conjunto de desenhos ou fotos que ilustram cada plano da cena a ser filmada. É planejado pelo diretor do filme, mas pode ser realizado por um desenhista profissional.

STORY-LINE Síntese da história de um roteiro em uma ou duas frases curtas. Esta frase deve conter a idéia central, a essência da história.

SUPER 8 Película cinematográfica com largura de 8mm.

T

TAKE Tomada. Começa no momento em que a câmera é disparada para gravar e termina no momento em que a câmera pára de gravar.

TÉCNICO DE EFEITOS ESPECIAIS Profissional especializado responsável pela realização dos efeitos especiais durante as filmagens. Exemplo: tiros, explosões, fogo, chuva, etc.

TELECINE Processo de transferência do material captado em película para suporte digital.

THAUMATRÓPIO Inventado por Willian Fitton em 1825. O aparelho era um disco de papelão onde em um lado havia o desenho de uma gaiola e no outro o de um passarinho. Ao fazê-lo rodar sobre um fio esticado, as duas imagens fundiam-se dando a impressão de que o pássaro estava dentro da gaiola.

TIME CODE É utilizado para registrar a localização de cada fotograma do filme para sincronizar o som.

TILT Movimento de erguer ou baixar a câmera sobre seu próprio eixo. É sempre realizado no sentido vertical.

TOMADA Take. Começa no momento em que a câmera é disparada para gravar e termina no momento em que a câmera pára de gravar.

TRANSFER processo de transferência de imagens do formato digital para a película cinematográfica.

TRANSIÇÃO Passagem de um plano para outro plano e de uma cena para outra cena.

TRAVELLING Movimento físico da câmera que se desloca no espaço. O movimento pode ser realizado com a ajuda de um carrinho, de trilhos, ou pela mão do operador.

TRILHEIRO Responsável pela composição e/ou compilação da trilha sonora de uma obra audiovisual.

V

VARRIDO Movimento rápido da câmera, mudando a imagem de lugar rapidamente. Também chamado de chicote.

Z

ZOOM-IN Aumento na distância focal da lente da câmera durante a captação. O zoom-in causa no espectador a impressão de aproximar-se do objeto que está sendo filmado.

ZOOM-OUT Diminuição da distância focal da lente durante a captação. O zoom-out causa no espectador a impressão de afastar-se do objeto que está sendo filmado.

ZOOPRAXINOSCÓPIO Inventado em 1872 por Eadweard Muybridge. O aparelho era composto de 24 máquinas fotográficas postadas em intervalos regulares ao longo de uma pista de corrida. Com a passagem do cavalo, fios eram rompidos, desencadeando disparos sucessivo que decompõem o movimento do animal em fotogramas. O experimento prova que há um momento em que nenhuma das patas toca o solo. É a origem da fotografia em série.

ZOOTRÓPIO Inventado em 1833 por Willian George Horner. Trata-se de um tambor giratório com frestas em toda a sua circunferência. Em seu interior, montavam-se seqüências de imagens produzidas em tiras de papel, de modo que cada imagem estivesse posicionada do lado oposto a uma fresta. Ao girar o tambor, olhando através das aberturas, assiste-se ao movimento.