Tela Brasil – O portal de formação e informação sobre o universo audiovisual » Blog Archive » Estreia “Castanha”: a história de um enigmático ator, do diretor Davi Pretto

Estreia “Castanha”: a história de um enigmático ator, do diretor Davi Pretto

Redação TelaBr - 20.11.2014

Nesta quinta-feira (20) estreia o premiado filme Castanha, escrito e dirigido por Davi Pretto. O primeiro longa-metragem do diretor registra a história de João Carlos Castanha, um ator gay de 52 anos que vive com a mãe Celina, de 72. Trabalhando à noite como transformista em bares gays e fazendo pequenas participações em peças de teatro infantis, filmes e programas de televisão, João passa a confundir cada vez mais a realidade em que vive com a ficção que interpreta, confusão esta também trazida para a forma como o filme é construído, trazendo diálogo e mistura entre ficção e documentário.

João é atormentado e perseguido por fantasmas do passado, embaralhando a realidade com a ficção. Para mostrar a vida dele, o diretor apostou no cinema como encontro entre quem tem uma história para ser contada e quem quer contar histórias. O filme de ator, ficcional, mescla-se ao registro observacional, intimista, dos silêncios e pequenos detalhes da vida. “Quis explorar uma mistura de gêneros pela peculiaridade que o protagonista me proporcionava. Apostei em uma peculiar relação entre câmera X personagem – documentário X ficção. Um alguém que divide-se em muitas vidas. Histórias marginalizadas, que correm esquecidas em um Brasil que borbulha, globalizado, mas com o pé fincado ainda no conservadorismo excludente”, explicou.

A ideia de Castanha surgiu no primeiro contato de Pretto com o ator João Carlos Castanha, quando dirigia os primeiros curtas metragens. Aos poucos João se revelou enigmático. “Fui descobrindo suas inúmeras facetas: O João ator de cinema e teatro; o transformista dos shows nas madrugadas em bares gays; o filho único de mãe solteira; o amigo que encanta todos pelo bom humor; o solteiro que perdeu seu grande amor para a AIDS”.

O filme recebeu o prêmio de melhor filme no 36° Festival do Rio – Première Brasil – Novos Rumos; de melhor ator no 14° Las Palmas Film Festival e melhor som em 6º Festival de Cinema de Paulínia.

Textos Relacionados

Comentários

Não há comentários no momento.

Envie seu comentário